Varizes

Varizes: entenda porque é importante tratar


Varizes são veias superficiais salientes, de coloração arroxeada e que formam “desenhos tortuosos e alongados” nas pernas, incomodando principalmente as mulheres, mais acometidas pelo problema. Porém, não são as questões estéticas que realmente preocupam, e falar de varizes precisa ir muito além disso.

Varizes são veias que deixaram de colaborar para o bom funcionamento do sistema circulatório, e dependendo do grau, podem até mesmo prejudicar a circulação, evoluindo para problemas graves. Nesses casos, quando retiradas, costuma ocorrer tanto melhora na drenagem dos membros inferiores como uma quase imediata sensação de alívio.

As varizes causam desconforto, e entre as principais queixas clínicas estão dor, “queimação”, sensação de peso e de cansaço nas pernas, além de edema (inchaço) na região do tornozelo. Por isso, quem tem varizes costuma descansar as pernas em almofadas ou travesseiros, deixando-as mais altas que o corpo, principalmente quando faz parte da rotina ficar muito tempo em pé ou sentado. Calor, gravidez e períodos próximos ou durante a menstruação costumam agravar o quadro.

 

Sintomas e sinais

  • Veias de coloração azulada e salientes, facilmente visíveis sob a pele
  • Vasos bem finos e avermelhados agrupados
  • Sensação de ardência nas pernas e pés
  • Edema na região do tornozelo
  • Pernas cansadas e pesadas
  • Câimbras
  • Coceira

 

Como as varizes se formam?

Quem faz o trabalho de bombear o sangue para as artérias é o coração. Por elas o sangue chega a todas as partes de nosso corpo, nutrindo as células. Já a função de drená-lo de volta ao coração cabe às veias. Todo esse processo recebe o nome de circulação.

O esforço para que o sangue vá do coração para os pés é muito pequeno perto do trabalho realizado pelas veias para mandá-lo de volta, porque, na maior parte das 24 horas do dia, o sangue precisa ser impulsionado para cima, pois estamos de pé ou sentados.

Em uma pessoa normal, a válvula venosa faz o seu papel sem falhar: abre para o sangue passar e fecha para que ele não retorne. Quando isso não ocorre, seja pela idade mais avançada da pessoa ou demais fatores, como hereditários, as veias começam a perder a elasticidade e a dilatar. Com isso, o trabalho das válvulas passa a ficar comprometido e parte do sangue que deveria seguir de volta para o coração fica parado nessas áreas expandidas. E quanto mais refluxo, mais dilatação.

 

Como e porque tratar

O procedimento adequado dependerá da evolução (grau) e da veia a ser tratada.

Geralmente, veias salientes que elevam a pele, e veias menores, que “desenham caminhos” tortuosos ou retilíneos, exigem intervenção cirúrgica. Já vasinhos (telangiectasias) ou aranhas vasculares costumam ser tratados com escleroterapia, que são injeções de soluções esclerosante nos vasos.

Pacientes que não podem passar pelos procedimentos, há a possibilidade de tratamento clínico com medicamentos, descanso com elevação das pernas e o uso de meia elástica.

Se não tratadas de forma adequada, as varizes em grau mais avançado podem progredir e desencadear complicações como:

  • Dermatite
  • Varicoflebite (inflamação das varizes)
  • Pigmentação e escurecimento da pele
  • Hemorragias – a pele e as paredes das varizes podem ficar muito finas e romper, ocasionando em importante perda de sangue
  • Úlceras – formação de feridas nas pernas. Com o tempo, se tratadas de forma inadequada, vão se agravando.

Trombose – os especialistas chamam a atenção para essa complicação, que pode ocasionar uma embolia pulmonar. Leia mais aqui. https://www.leforte.com.br/trombose-como-saber-embolia-pulmonar/

Ajuda a evitar a formação de varizes

  • Não fumar
  • Controlar do peso
  • Evitar tempo prolongado sentado ou parado em pé – procure movimentar-se
  • Sedentarismo
  • Nada de cintas abdominais apertadas
  • Exercitar-se! Caminhadas e/ou atividades físicas com supervisão médica
  • Utilizar frequentemente meia elástica, principalmente na gravidez
  • E consultar regularmente seu angiologista/cirurgião vascular

 

DÚVIDAS FREQUENTES

Salto alto X varizes

Segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBAVC), não existe uma relação comprovada entre a formação de varizes e o uso de salto alto. Porém, o uso por muitos anos, diariamente, pode “encurtar” a musculatura da panturrilha, que é justamente a região responsável pelo trabalho de retorno do sangue para o coração.

 

Depilação X varizes

A SBAVC também não aponta relação entre ambas.

 

Escadas X varizes

O efeito aqui é benéfico, pois ao subir escadas a musculatura da perna e panturrilha se exercita. Os médicos sempre reforçam a importância de fortalecer a musculatura nessa região.

 

Exercícios com peso X varizes

A musculação exige recomendação e acompanhamento de profissionais capacitados (médicos e professores de educação física). Se feita seguindo orientação, o tipo de exercício pode até mesmo ajudar a evitar varizes.

 

Exercício aeróbico X varizes

Entram aqui modalidades como os esportes aquáticos e caminhada, muito bem-vindas no combate às varizes e sempre indicadas na prevenção de diversos problemas de saúde.

 

Hormônios X varizes

Considerados fatores desencadeantes e/ou agravantes.

 

Vasinhos X varizes

São situações distintas. Os vasinhos são em capilares superficiais, e as varizes acometem veias. Pode ocorrer de uma pessoa desenvolver ambos.

 

 

 

Leia mais:

Os riscos do inverno para o coração

Saúde do coração da mulher

Hipertensão arterial

Search

+