hipertensão

Perguntas e Respostas sobre a Hipertensão Arterial


A hipertensão arterial, mais conhecida como pressão alta, é uma doença crônica que atinge grande parte da população mundial. No Brasil, mais de 30 milhões de brasileiros sofrem da doença, segundo dados do Ministério da Saúde.

Caracteriza-se pela elevação da pressão dentro das artérias, ou seja, quando a pressão causada pela passagem do sangue é mais intensa que o considerado normal, fazendo com que o coração tenha de fazer mais esforço.

 

Sintomas

Geralmente, não há sintomas aparentes, e pode ser descoberta em consultas médicas de rotina ou por meio da medição regular da pressão arterial. Em casos mais graves, podem aparecer sintomas como tontura e falta de ar. Também em alguns pacientes pode ocorrer palpitação, dor de cabeça e alteração na visão.

Causas

São vários os fatores que podem levar ao quadro da hipertensão. Muito importante é manter uma dieta saudável, evitando o sal. Também é recomendado evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, não fumar e controlar o peso – o sobrepeso é muito associado a esses quadros, e especialmente a obesidade. Também se recomenda a prática de esportes ou atividades físicas.
O histórico familiar deve ser levado em consideração como fator de risco, assim como o estresse e o envelhecimento também estão associados à pressão alta.

Riscos

As principais complicações que podem ocorrer da hipertensão são infarto do coração, acidente vascular cerebral (derrame), insuficiência cardíaca, doença renal e arritmia cardíaca.

Tratamento

O quadro de hipertensão não tem cura, mas ele pode ser controlado com medicação e com mudança no estilo de vida. A prática de atividades físicas, dietas saudáveis e controle de peso são de extrema importância para o controle da doença. E quando necessário, o médico prescreve o uso de medicamentos adequados para controle da pressão. O tratamento correto e de forma continua contribui para ampliar a qualidade e a expectativa de vida do paciente hipertenso.

Controle da Pressão Arterial

A pressão pode ser medida por aparelhos específicos. É importante a avaliação médica uma vez que a pressão considerada ideal pode variar de acordo com o caso e de uma pessoa para outra.

Convenciona-se como padrão ideal a pressão de 12 (máxima) por 8 (mínima). Basicamente, a mínima representa a resistência que os vasos impõem ao fluxo de sangue bombeado pelo coração e a máxima representa a pressão de bombeamento.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia, valores iguais ou superiores a 14 por 9 são considerados como hipertensão para todo mundo.


 

Perguntas e Respostas sobre a Hipertensão

1. A incidência da hipertensão está aumentando no público mais jovem? Por quê?
Sim. Atualmente nos EUA, por exemplo, cerca de 20% dos jovens com menos de 32 anos possuem pressão alta, mesmo que muitos desconheçam o fato. Parte disso, acredita-se, ocorre devido à falta de cuidado com a saúde, como os excessos na alimentação, o sobrepeso e o maior consumo de álcool.

2. As mulheres jovens também estão no alvo da doença?
Sim, esses fatores desencadeantes atingem também as mulheres, principalmente em um mundo no qual elas, frequentemente, têm uma vida mais corrida, assumindo o estresse da rotina entre trabalho e lar.

3. Qual a ligação do sal com a hipertensão?
O sal faz com que haja retenção de líquidos, aumentando o nível circulante e, portanto, aumentando os níveis de pressão dentro dos vasos arteriais. Além disso, pode propiciar o desenvolvimento de problemas renais que, quando presentes, podem elevar os níveis da pressão arterial.

4. Quando se deve medir a pressão arterial?
A pressão arterial deve ser medidas em todas as consultas médicas, independentemente da especialidade, pois desta forma o diagnóstico será bem mais fácil e rápido. Nos indivíduos de alto risco – tais como obesos, com familiares hipertensos, fumantes e diabéticos – as avaliações devem se iniciar mais precocemente. Deve-se lembrar que mesmo as crianças devem ter suas pressões medidas quando avaliadas pelo médico.

5. A pressão alta pode provocar sintomas?
Pode. Os sintomas mais frequentes são: cefaleia (dor de cabeça), cansaço fácil aos esforços, inchaço nos pés, alterações da visão (moscas volantes, visão dupla e/ou embaçada), dores torácicas, formigamento dos membros, tontura, alteração do volume urinário (mais frequente no início e um volume menor quando os rins já estão acometidos), palpitações, insônia, etc.

 

Leia mais:

Transplantes sem Fronteiras: Leforte é referência em transplantes de Rim e Pâncreas

Novo equipamento para o tratamento radioterápico: Elekta Infinity

Mulheres Cirurgiãs

Search

+