O Dia do Médico Infectologista e o enfrentamento do Coronavírus

O Dia do Médico Infectologista e o enfrentamento do Coronavírus

No mundo todo, cerca de 10 milhões de pessoas são afetadas pela tuberculose e em torno de 325 milhões pelas hepatites B e C. Agentes infecciosos desconhecidos até recentemente continuam a surgir e atingir populações inteiras, como o novo Coronavírus, que provocou uma pandemia rapidamente. Mas, na linha de frente do combate a essas e qualquer outra doença causada por micro-organismos está um profissional homenageado em todo 11 de abril, no Dia do Médico Infectologista.

No Grupo Leforte, o médico infectologista Ivan Marinho está envolvido em todos os procedimentos e cuidados adotados em relação ao Coronavírus para que os pacientes com qualquer problema de saúde sejam atendidos com segurança. Assim como para proteger os profissionais que atuam nas unidades do Grupo Leforte.

“Em relação aos pacientes, temos um fluxo separado de atendimento para os com suspeita de Coronavírus desde a chegada. Os locais por onde a pessoa transita são isolados, até o elevador é exclusivo. Os acessos para outras áreas são fechados, o local de internação é separado e não são permitidos acompanhantes. Temos uma gestão de insumos e equipamentos para atender todas as necessidades desses pacientes e uma equipe dedicada só a eles”, explica o doutor Ivan.

“Também estabelecemos uma gestão eficiente de equipamentos de proteção individual (EPI) para as equipes e ensinamos todos a usá-los corretamente. O colaborador que tiver sintomas é testado no mesmo dia e fica afastado esperando o resultado, que sai em até 72 horas. Se for positivo, o colaborador é isolado em casa durante 14 dias para garantir que ele e a família dele fiquem em segurança”.

Pela grave situação causada do Coronavírus em todo o mundo, o Dia do Médico Infectologista transformou-se em um símbolo de resistência e coragem para o doutor Ivan. “Estamos vivendo uma guerra, onde muitos de nós vamos adoecer. Mas, assim como os soldados, os infectologistas não podem fugir e tem que enfrentar”.

 

Dia do Médico Infectologista

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) escolheu o 11 de abril para comemorar o Dia do Médico Infectologista porque foi quando nasceu Emílio Ribas, médico famoso na área de doenças infecciosas. No final do século 19 e início do 20 – junto com Oswaldo Cruz, Adolfo Lutz, Vital Brasil e Carlos Chagas – trabalhou para livrar cidades e regiões do interior de doenças que assolavam o Brasil, como a febre amarela.

O Infectologista é o médico especialista no diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos pacientes com doenças infecciosas e parasitárias. Como o campo é vasto, ele pode se aprofundar e atuar em áreas específicas, tais como:

  • Infectologia ambulatorial – atende, faz o diagnóstico e trata de diferentes condições como infecções em geral, HIV, hepatites virais, infecções sexualmente transmissíveis etc.;
  • Infectologia hospitalar – trata de internações e tratamento em fases agudas de doenças infecciosas;
  • Controle de infecção hospitalar – é responsável pelo uso e indicação de antibióticos em todas as especialidades e prevenção de surtos infecciosos;
  • Infectologia em saúde pública – atua em ações de vigilância epidemiológica, ações executoras e também normativas;
  • Imunossuprimidos não-Aids – atua, junto com a equipe médica, no atendimento de pacientes imunossuprimidos devido, por exemplo, a doenças onco-hematológicas.

 

Doutor Ivan Marinho

Graduado em medicina pela Universidade Católica de Salvador em 1983, o doutor Ivan Marinho concluiu a residência em infectologia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em 1987. Atualmente, ele é responsável pelos serviços de Infectologia, Clínica Médica e Medicina Hiperbárica e pelo centro de Tratamento de Feridas do Hospital Leforte Liberdade; e também pelo serviço de Infectologia da AACD, do Hospital Sino Brasileiro e do Hospital Alpha Med, da Rede Dor.

 

Conteúdos relacionados no site do Grupo Leforte.

Search

+