O Big Data e a transformação digital na saúde


Os mais diversos setores da sociedade estão buscando a transformação digital. É preciso se esforçar para acompanhar o seu ritmo, pois as tecnologias evoluem a cada dia que passa. Se você não for junto, acaba ficando para trás.

Apesar de ainda existir alguma resistência por parte dos mais tradicionalistas, a transformação digital é aceita pela grande maioria. Eles entendem que ela pode alavancar a sua posição dentro do mercado, colocando-os à frente da competição.

Com o setor da saúde não é diferente. Afinal, esse é um setor que vem se beneficiando da evolução das tecnologias há muitos séculos. Não é à toa que, hoje em dia, doenças que antes mataram milhares agora têm cura e tratamento.

 

Quais são os benefícios da transformação digital na saúde?

Você já ouviu falar de Mobile Health (ou mHealth)? São aplicativos relacionados à saúde que estão disponíveis para dispositivos móveis, como smartphones e tablets. Eles são um ótimo exemplo da transformação digital na saúde.

De acordo com a empresa PwC, a utilização de mobile health poderia proporcionar uma economia nos custos de saúde de até 14 bilhões de dólares para o Brasil. Economia essa que permitiria o tratamento de ao menos 4 milhões de pacientes a mais.

Além disso, por ter uma população mais saudável, o Brasil poderia chegar a um PIB (Produto Interno Bruto) de 4,6 bilhões de dólares a mais. São números impressionantes, não é?

Isso sem contar nas tecnologias que permitem consultas, diagnósticos e visualização de exames a distância. Seria possível atender muito mais pacientes, as filas diminuiriam e a facilidade de marcar atendimentos aumentaria.

Já apontamos vários benefícios e nem começamos a falar do Big Data ainda! Isso para você ter uma ideia de que a tecnologia digital no geral já é extremamente vantajosa tanto para empresários, profissionais da saúde e pacientes.

 

O que é o Big Data e como ele impacta a saúde?

Big Data é um termo usado para se referir a um grande número de dados armazenados, estruturados ou não. Ele é uma das tecnologias da informação mais comentadas dos últimos tempos, sendo usada desde campanhas publicitárias até corridas presidenciais.

Na área da saúde, o Big Data também tem uma importância enorme. Com ele, os profissionais poderiam guardar e acessar dados com informações preciosas, que podem ser utilizadas para desenvolver curas novas, modificar tratamentos, melhorar procedimentos cirúrgicos e especificar os cuidados para cada paciente.

De acordo com a empresa BMC, o setor da saúde pode gerar até 25 mil petabytes de dados com todas essas informações fundamentais. Isso é a metade da quantidade de coisas que a humanidade já escreveu durante os séculos, só para você ter uma ideia!

Não adianta fugir da transformação digital. Se você não abraçá-la, será engolido pelos que abraçaram. O Big Data, a internet, a telemedicina, a Inteligência Artificial e o sistema em nuvens são o presente e o futuro!

 


Dr. José Luciano Monteiro

É Graduado em Medicina pela Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública (2009), foi residente no Serviço de Neurologia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo (2014) e obteve aperfeiçoamento em Doenças Neuromusculares pelo Groupe Hospitalier Pitié-Salpêtrière na França (2017). É médico neurocirurgião no Hospital Leforte, diretor Clínico na Prime Neurologia e referência nas áreas de Neurologia, Teleneurologia e Telessaúde.

 


 

Leia mais:

Novidade no Hospital Leforte Liberdade: Telemedicina no Pronto-Socorro e na UTI

Mulheres Cirurgiãs

As doenças sazonais mais comuns da infância

Search

+