coração mais saudável

Menos fatores de risco = coração mais saudável


Adotar bons hábitos é um passo muito importante para evitar o desenvolvimento de doenças graves do coração. Não importa a fase da vida, o ideal é trocar o sedentarismo por corpo em movimento, substituir o excesso de sódio e gordura por boa alimentação, evitar o estresse e colocar mais lazer no dia a dia. São dicas para quem se preocupa em envelhecer com mais saúde!

Para isso…

 

Aos 20 anos – cuide da alimentação

Nessa idade o tempo que se passa na rua, estudando e trabalhando, acaba levando a alimentação inadequada. Orientação: mais alimentos frescos e menos fast foods.

 

Aos 30 anos – evite excessos

Consumir bebidas alcoólicas em excesso pode ser um gatilho para cardiopatias, assim como o tabagismo, a principal causa evitável relacionada a doenças cardiovasculares.

 

Aos 40 anos – evite o estresse

Importante adotar atividades que proporcionem prazer, principalmente se feitas ao ar livre. O lazer e o sentir-se bem contam muito, como ficar mais tempo com a família e viagens.

 

Aos 50 anos – faça avaliações médicas anualmente

Antes mesmo de chegar aos 50, os check-ups devem ser anuais. Manter os exames em dia, cuidar dos níveis de colesterol, glicemia e pressão arterial.

 

Aos 60 anos – pratique exercícios

Atividade física é muito importante em qualquer idade, mas aos 60 é indispensável. Acompanhamento médico também é fundamental, para que os exercícios sejam os mais adequados a cada perfil.

 

Aos 70 anos – corpo e cabeça saudáveis

Manter hábitos saudáveis, fazer caminhadas, exames de rotina sempre em dia e alimentação nos horários certos.

Hábitos saudáveis podem evitar (ou manter sob controle) as seguintes doenças:

 

Hipertensão arterial

A hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença caracterizada pela elevação dos níveis tensionais no sangue, e pode estar associada a outros fatores, como obesidade. Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS): para prevenir complicações, pacientes com HAS devem realizar exames diagnósticos para identificar fatores de riscos cardiovasculares, como a presença de gordura no sangue.

Quando ocorre: quando nossas artérias sofrem algum tipo de resistência, perdendo a capacidade de contrair e dilatar (idade, fumo e sal proporcionam essa situação), ou quando o volume se torna muito alto, exigindo uma velocidade maior para circular.

Fatores de risco: é hereditária em 90% dos casos, mas fatores como idade acima dos 40 anos, tabagismo, obesidade, colesterol alto, estresse e sedentarismo podem levar a seu aparecimento.

Sintomas: geralmente aparecem quando os níveis da pressão sobem muito, podendo causar dores de cabeça, dores no peito, fraqueza, visão embaçada e até sangramentos nasais. Em muitos casos, não apresentam sintomas.

Prevenção: adultos aparentemente saudáveis devem medir os níveis de pressão arterial ao menos um vez por ano, pois a pressão aumenta com o avanço da idade. Além disso, são muito bem-vindas a prática de atividades físicas, diminuição do consumo de bebidas alcoolicas, alimentação saudável e redução do sal nas refeições.

 

Obesidade

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, a obesidade é um dos fatores mais graves para o aparecimento de doenças cardiovasculares.

Quando ocorre: ingestão alimentar maior que gasto energético, provocando acúmulo de gordura no corpo. Fator hereditário e algumas doenças, como hipotireoidismo, podem estar relacionados.

Diagnóstico: por meio do Índice de Massa Corporal (IMC), calculado da seguinte forma:

 

Multiplique seu Peso pelo dobro da sua altura

Resultado menor que 18,5 = abaixo do peso

Resultado entre 18,5 e 24,9 = peso normal

Resultado entre 25 e 29,9 = sobrepeso (acima do peso desejado)

Resultado igual ou acima de 30 = obesidade

Prevenção e tratamento: o ideal é adotar um estilo de vida mais saudável, com alimentação equilibrada, prática de atividade física e tratamento de doenças associadas (ansiedade, depressão, hipotireoidismo, entre outras).

 

Diabete

Síndrome metabólica que ocorre por falta de insulina e/ou incapacidade da insulina exercer seus efeitos de forma adequada. Há aumento de açúcar no sangue, e com o tempo, os altos níveis de glicose danificam vasos sanguíneos, levando a complicações cardíacas.

Segundo a Federação Internacional de Diabetes (IDF), em 2035 cerca de 590 milhões de pessoas no mundo terão diabetes. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, são 11 milhões de diabéticos, sendo que um terço, cerca de 3,5 milhões, não sabem que têm a doença.

  • Diabetes e doença arterial coronária: muitos diabéticos acabam desenvolvendo a doença, que obstrui vasos e diminui o fluxo sanguíneo, podendo resultar em um ataque cardíaco.
  • Diabetes e AVC: diabéticos têm duas vezes mais chances de sofrer um acidente vascular cerebral, causado pelo estreitamento dos vasos sanguíneos, especificamente os que levam sangue ao cérebro. Na maioria dos casos, depósitos de gordura nos vasos ou presença de coágulos no sangue são as causas.

Cuidados: o diabético deve praticar com frequência atividades físicas, manter dieta controlada e verificar sempre os níveis de glicemia.

 

Colesterol

Tipo de gordura produzida em nosso organismo responsável por funções essenciais, como produção de hormônios e vitamina D, porém, em excesso é prejudicial e aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

As dislipidemias (DLP)*, que são gorduras no sangue, respondem por mais de 50% dos riscos de doenças cardiovasculares.

 

Tipos de colesterol mais conhecidos

LDL: “colesterol ruim”, se deposita nas artérias dificultando a passagem do fluxo sanguíneo.

HDL: “colesterol bom”, retira o excesso de gordura das artérias, evitando obstruções.

Fatores de risco: os principais são fatores genéticos, obesidade, sedentarismo e alimentação inadequada.

Tratamento e prevenção: pode ser tratado com medicamentos, mas o ideal é mudar o estilo de vida, com a prática de exercícios físicos, redução do estresse, alimentação adequada e níveis de pressão arterial estáveis.

*As dislipidemias (DLP) tem influência direto no desenvolvimento de AVC, Infarto Agudo do Miocárdio e doenças neurodegenerativas. Por isso a prevenção é tão importante.

 

 

 

Leia mais:

O que colocar na lancheira das crianças?

Saúde do coração da mulher

Hipertensão arterial

Search

+