Glaucoma

Glaucoma: diagnóstico precoce pode evitar cegueira irreversível

Por Dr. André Vidoris, oftalmologista do Hospital Leforte


 

Dia 25 de Maio é o dia Internacional de Combate ao Glaucoma. Especialistas de todo o mundo alertam a população sobre esta doença que na maioria dos casos é silenciosa, e por este motivo, estima-se que mais da metade dos portadores desconhece que sofre da doença.

O Glaucoma é a segunda maior causa de cegueira irreversível no mundo, totalizando 12,3% dos casos de cegueira segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Estima-se que até 2020, 80 milhões de pessoas se tornarão cegas por esta doença no mundo. No Brasil, presume-se cerca de 1 milhão de casos, com incidência na população acima de 40 anos entre 2% a 3%, de acordo com dados do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO). Dos cerca de 1 milhão de glaucomatosos, 50% ou mais não sabem que são portadores da doença.

Ao contrário do que ocorre com a catarata, que pode causar cegueira, mas que é reversível com a cirurgia, a cegueira pelo glaucoma é irreversível. A doença nos estágios iniciais é silenciosa, e os sintomas aparecem quando mais de 70% do nervo óptico está danificado (normalmente composto por 1,2 milhão fibras nervosas).

O glaucoma é uma doença progressiva do nervo óptico (ou Neuropatia Óptica Progressiva), na qual o nervo, composto por neurônios (ou células nervosas) que conectam a retina ao cérebro, vai morrendo lentamente de forma indolor. Em raros casos, pode ocorrer de forma aguda, associado a dor forte – glaucoma agudo.

É o nervo que leva a imagem captada pelo olho ao cérebro, onde é armazenada e interpretada. O mecanismo exato de como a morte progressiva das células do nervo ótico ocorre, bem como suas causas, ainda não é completamente conhecido, porém os fatores de risco mais importantes já foram identificados: idade acima dos 40 anos, pessoas com casos na família (genética), descendentes de asiáticos ou afrodescendentes, e também pacientes que apresentam pressão intraocular elevada.

 

Glaucoma: Prevenção e Diagnóstico

A maior arma para combater a cegueira pelo glaucoma é a prevenção e o diagnóstico precoce. Quando detectado em estágio inicial, o glaucoma pode ser tratado facilmente com uso de colírios, o que na maioria das vezes evita a progressão da doença e a cegueira. Quando o colírio não funciona, pode-se usar o laser ou até cirurgias.

O exame pode detectar a doença e o diagnóstico precoce pode evitar cegueira irreversível

 

Portanto, recomenda-se a todos os pacientes com mais de 40 anos, com ou sem casos de glaucoma na família, que visitem o oftalmologista anualmente, não apenas para atualizar o grau dos óculos, mas também para medir a pressão intraocular e fazer uma avaliação do nervo óptico. Nos pacientes com suspeita da doença, exames complementares como retinografia (fotodocumentação do nervo ótico e da retina), campo visual (que mede a função do nervo ótico), e tomografia de coerência (tomografia da retina e do nervo ótico), podem ser necessários para confirmar o diagnóstico.

Vale lembrar que na consulta com o oftalmologista, outras doenças também podem ser detectadas, portanto, previna-se! Consulte um oftalmologista regularmente.


 

Leia mais:

Perguntas e respostas sobre a hipertensão arterial

Saúde do coração da mulher

A importância do coração no tratamento do câncer

Search

+