12 de abril: Dia do Obstetra – saiba a atuação desses profissionais durante a pandemia de Coronavírus-Covid-19

12 de abril: Dia do Obstetra – saiba a atuação desses profissionais durante a pandemia de Coronavírus-Covid-19

O Grupo Leforte entrevistou o obstetra e ginecologista Dr. Raphael Leão, que conta como tem sido a rotina em hospitais para garantir a saúde de gestantes e bebês.

Com a evolução dos casos de Coronavírus-Covid-19 no Brasil, a insegurança de gestantes em relação ao contágio da doença, à possibilidade de transmissão ao bebê e ao próprio momento do parto foi aumentada. Saiba quais são os riscos do Coronavírus durante o período de gestação, os cuidados que a mãe deve ter para manter a própria saúde e a do bebê, além do papel do obstetra em ajudar a manter a segurança das gestações e partos.

 

Existe risco aumentado para Coronavírus-Covid-19 em gestantes e bebês?

Uma dúvida comum entre a população é se grávidas estão incluídas em grupos de riscos para o Coronavírus. Segundo o Dr. Raphael, algumas publicações e secretarias de saúde colocam essas mulheres como grupo de risco devido à queda da imunidade durante a gravidez e a experiências anteriores durante a crise da gripe H1N1, em que gestantes foram afetadas. Porém, os dados coletados até agora sobre a Covid-19 não mostram que as grávidas tenham riscos aumentados para complicações da doença, diferente de diabéticos, portadores de doenças cardiovasculares e imunossuprimidos, por exemplo.

O médico explica: “apesar do caso recente de óbito de uma gestante em decorrência do vírus, quando analisamos as estatísticas em uma perspectiva macro, o número de óbitos de grávidas no mundo todo é muito menor do que o de jovens adultos, por exemplo”.

Por ser causada por uma mutação nova do Coronavírus, ainda se sabe pouco sobre a transmissão vertical (de mãe para filho) da Covid-19 e os efeitos da doença em recém-nascidos. Já grávidas infectadas pelo Coronavírus podem entrar em trabalho de parto precocemente, portanto, nessa época de pandemia os cuidados para evitar a exposição ao vírus devem ser intensificados. “Durante esse período, estamos orientando as gestantes que trabalham a permanecerem em home office, mesmo que tenham que conversar para mesmo serem movidas para outra função”, diz Dr. Raphael.

Para as mães contagiadas, o médico reforça os cuidados com o bebê após o parto:

Ao amamentar e manipular o bebê, sempre lavar as mãos com água e sabão, por 40 a 60 segundos, ou com preparações à base de álcool 70%, como o álcool em gel, por 20 a 30 segundos.;
Usar máscara durante a amamentação e sempre que estiver com o bebê.
Nos casos em que o leite materno é extraído por bombas, higienizar as mãos e o equipamento antes e depois do manuseio.

 

A atuação de obstetras, em hospitais e maternidades durante a pandemia de Coronavírus – Covid-19

Devido ao medo gerado pela crise da Covid-19, algumas gestantes têm cogitado antecipar o parto para evitar o pico da doença, com receio de hospitais lotados. Um dos papéis essenciais do médico obstetra nesse período – além de todo o acompanhamento pré-natal – tem sido tranquilizar as pacientes para garantir a saúde delas e dos bebês, como explica o Dr. Raphael: “Não há nenhuma indicação de antecipação do parto por causa da pandemia. A antecipação do parto sem indicação médica é prejudicial ao bebê, deixando-o exposto principalmente a problemas respiratórios relacionados a prematuridade”.

As equipes de profissionais de saúde, hospitais e maternidades também têm tomado medidas preventivas contra a propagação do Coronavírus. Durante o parto, médicos e demais profissionais que prestam assistência às pacientes se protegem com os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados para evitar o contágio da doença.

O Dr. Raphael explica que não há riscos em realizar partos em hospitais com outras especialidades além da maternidade, pois, normalmente as áreas são separadas. “No Hospital e Maternidade Christovão da Gama temos um andar exclusivo para a maternidade e nesse mesmo espaço encontra-se o berçário. A equipe de enfermagem da maternidade também é própria desta área, dando mais segurança para a mãe e para o bebê”, afirma.

É comum que regras de visitação, presença de acompanhantes e contratação de serviços como decoração e fotografia sejam alteradas por motivos de segurança. No caso da maternidade do Grupo Leforte, por exemplo, as visitas estão suspensas e é permitida a presença de apenas um acompanhante, durante e após o parto.

Por fim, o Dr. Raphael Leão deixa uma mensagem aos seus colegas sobre o Dia do Obstetra, comemorado dia 12 de abril: “Gostaria de parabenizar todos os obstetras, pois sabemos que com pandemia ou sem pandemia os partos vão continuar ocorrendo, as gestantes precisam ser atendidas nas consultas de pré-natal e continuaremos prestando assistência às nossas pacientes”.

O Dr. Raphael Leão é coordenador da Ginecologia e Obstetrícia do Hospital e Maternidade Christóvão da Gama e exerce sua especialidade diariamente há 20 anos. Motivado pelo pai, também obstetra, ele conta que nunca pensou em ter outra profissão. Dr. Raphael cursou a Faculdade de Medicina do ABC e fez residência médica no Hospital Leonor Mendes de Barros, onde seu pai era responsável pelo setor de gestação de alto risco.

 

Vídeos relacionados no site do Grupo Leforte

https://www.leforte.com.br/video-atendimento-humanizado-para-a-revista-pais-e-filhos/

 

Conteúdos relacionados no site do Grupo Leforte

https://www.leforte.com.br/mamaes-de-primeira-viagem/
https://www.leforte.com.br/quando-a-gravidez-inspira-cuidados/

Search

+